sábado, 10 de janeiro de 2009

Hoje pela manhã

Hoje pela manhã,
só havia o botão;
as pétalas caíram
com a tormenta
da noite.
Uma alegre joaninha
dourada, só aguardava
este momento,
para a sua libertação.

Luiz Delfino
10012009

1 Comentários:

Às 10 de janeiro de 2009 08:08 , Blogger Luiz Delfino disse...

queira ou não queira, esse seu poema tem uma filosofia muito profunda - como a verdadeira pessoa se liberta da beleza, com a tempestade do tempo, para libertar o seu verdadeiro eu.
Nossa, estou filosofando alto em seu poema!

Dalva A. Lynch

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial