segunda-feira, 3 de agosto de 2009

A Lira

Nos campos cobertos de lírios
em passos eu traço uma lira;
da seda tecida num lírio,
eu faço as cordas da lira.

De cima o inseto pranteia,
à forma que dei ao seu canto,
que dele desfiz sua teia,
pra nele tocar o meu pranto.

E o vento que o campo transpira,
num sopro assim... inspirado
retira das cordas da lira
meu pranto já muito alquebrado.

E o inseto, num instante, se vinga,
do bardo que com a lira pranteia,
e tece, retece, respinga...
refaz novamente uma teia

Luiz Delfino
04082009

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial